» » » Sintomas de Mononucleose Infecciosa – Doença do Beijo

Sintomas de Mononucleose Infecciosa – Doença do Beijo

Os sintomas da mononucleose infecciosa incluem inflamação e dor na garganta resistente a antibióticos, tosse, inchaço dos gânglios linfáticos nas axilas e pescoço, inchaço das amígdalas, além de:

  • Febre contínua de de 38 a 39º, que pode ficar oscilando e aumentar no final da tarde e início da noite;
  • Dor de cabeça;
  • Fadiga;
  • Mal-estar geral;
  • Erupções na pele;
  • Aumento do baço;
  • Inflamação do fígado.

O que é Mononucleose?

A mononucleose, ou doença do beijo, é uma infecção causada pelo vírus de Epstein-Barr, que invade as células que revestem o nariz e a garganta e afeta os linfócitos B, que são células responsáveis pela produção de anticorpos.



Mononucleose Infantil

A mononucleose é muito comum na infância, principalmente antes do 5 anos de idade e manifesta-se praticamente sem os sintomas característicos da mononucleose nos adultos, sendo confundida com outros quadros virais mais comuns.

Transmissão da Mononucleose

Entre jovens e adultos, a contaminação ocorre geralmente pelo beijo ou contato íntimo com alguém já infectado. A infecção costuma durar poucas semanas mas em alguns casos pode se estender por alguns meses. O período de transmissão pode durar mais de um ano, mesmo com a pessoa já curada.

Como o vírus é transmitido pela saliva, a contaminação também pode acontecer por meio do contato com secreções contaminadas, através de um espirro, tosse e manipulação de objetos, como copos e talheres, usados por alguém infectado.

Mononucleose – Diagnóstico

O diagnóstico da mononucleose é feito com base na observação dos sinais clínicos e dos resultados dos exames laboratoriais, que confirmam o aparecimento de linfócitos atípicos e também a presença de anticorpos contra o vírus Epstein-Barr.

O uso da ampicilina e da amoxicilina por um paciente com mononucleose faz surgir exantemas (manchas vermelhas e em alto relevo) na pele de tal modo que esse método pode ser utilizado para diagnosticar a doença.


Mononucleose Tem Cura?

Sim. Mas como na maioria dos quadros de doenças virais, não é possível curar a infecção com um remédio específico. Em vez disso, ela cura-se por si só, mas em um processo lento que pode levar de semanas a meses.

O mal-estar e a indisposição podem desaparecer apenas algumas semanas mais tarde do início da doença, e o inchaço dos gânglios da garganta pode levar até 2 meses para ser curado por completo.

Mas o diagnóstico da cura só é realmente confirmado quando os exames demonstram que não há mais comprometimento das funções hepáticas (do fígado).

Tratamento da Mononucleose

O tratamento da Mononucleose é sintomático, ou seja, consiste em eliminar os sintomas causados pela infecção, como a dor de garganta, a febre, a dor de cabeça e o mal estar geral. Os medicamentos antivirais não fazem efeito algum contra o vírus causador da doença.

Analgésicos e antitérmicos, como o Paracetamol e o Acetaminofeno, podem conter a dor e a febre. Os corticoides não são indicados, a não ser nos casos em que há maiores complicações decorrentes da doença.

É recomendado não fazer exercícios ou esforços físicos devido ao aumento do baço, pois ele pode se romper em presença de grandes impactos, causando hemorragia interna e a morte do paciente. Beber muito líquido e ficar em repouso é fundamental.

Atualizado em: 22/05/2018 na categoria: Doenças Infecciosas, Doenças na Boca